Seminário Cartas Abertas

clique aqui para visitar o site oficial do projeto

letters-to-the-mayor-sao-paulo-seminar-1-project-06-08-2016-courtesy-of-pivo-photo-henrique-lukas_19

De modo a potencializar o impacto da exposição Cartas ao Prefeito: São Paulo como plataforma de debate e troca de ideias, a mostra é acompanhada pelo seminário Cartas Abertas, uma série de quatro mesas de discussão sobre quatro temas: Projeto, Estratégia, Resistência e 2054 – O 5º Centenário.

Como oradores foram convidados alguns dos arquitetos participantes da exposição e outros agentes que têm atuado de forma ativa na estruturação de um pensamento crítico e propositivo perante a cidade.

Nos encontros se discutem temas como; a importância e insuficiências do papel do projeto na estruturação física da cidade e como agente ativo na atuação dentro de uma esfera sócio-política; estratégias, da micro à macro-escala, que visam contrabalançar a estruturação segregatória da cidade e engajar os seus cidadãos na construção de uma esfera pública desejável; a intervenção e ocupação do espaço urbano como ferramenta para horizontalizar um diálogo com o poder público, assim como instrumento importante no processo de subjetivação e empoderamento simbólico dos cidadãos sobre a sua cidade; formas de pensar no futuro de São Paulo depois de uma expansão desordenada, desigual e excludente, entre outros assuntos prementes.


#1 – Projeto (06.08.2016)

O seminário se inicia com uma discussão sobre a importância e insuficiências do papel do projeto na estruturação física da cidade, e como agente ativo na atuação dentro de uma esfera sócio-política. Se o projeto é aquilo que distingue a arquitetura da mera construção, conferindo-lhe um conteúdo semântico e consequentemente introduzindo-a num campo especulativo, este também tem a capacidade de, por um lado, envolver e afetar ética e esteticamente o conjunto de pessoas com quem entra em contato e, por outro, ser um vetor de segregação e alienação.

Mediadora: Lizete Rubano

Participantes: Marcelo Coelho, Marcos Boldarini, Pablo Hereñú, Sandra Kocura


#2 – Estratégia (13.08.2016)

O segundo encontro parte de uma leitura da estruturação urbana de São Paulo como um processo histórico pautado pelos interesses de uma pequena parcela sócio-espacial da cidade em detrimento da grande maioria da população e seus espaços. Num momento em que o planejamento urbano tende a encarar a cidade como uma empresa-mercadoria, o encontro pretende discutir outras estratégias, da micro à macro-escala, que visam contrabalançar a estruturação segregatória da cidade e engajar os seus cidadãos na construção de uma cidadania e esfera pública desejável.

Mediador: Gabriel Kogan

Participantes: Bel Santos Mayer, Fernando Túlio Franco, Nelson Brissac Peixoto, Milton Braga


#3 – Resistência (20.08.2016)

O terceiro encontro discutirá a intervenção e ocupação do espaço urbano como ferramenta para forjar e horizontalizar um diálogo com o poder público, assim como instrumento importante no processo de subjetivação e empoderamento simbólico dos cidadãos sobre a sua cidade. Num momento em que a crise da democracia representativa está cada vez mais evidente, inúmeras cidades têm sido palco para o surgimento de novas formas de coletividade como entidades políticas, que usam a revolução e a resistência como atos de catarse, negociação e mediação, de modo a lograr reformas e o seu “direito à cidade”.

Mediadores: Bruno de Almeida e Fernando Falcon

Participantes: André Luiz, Carmen Silva, Luciana Bedeschi


#4 – 2054 (27.08.2016)

O último encontro do seminário abre espaço para especular outras formas de ser na cidade, quando do 5º centenário de São Paulo em 2054. Se a celebração do 4º Centenário simbolizava a ascensão desta cidade como a grande metrópole Brasileira, usando-se a arquitetura como a principal forma de demonstração desse poder, como podemos pensar no futuro da mesma cidade depois de uma expansão desordenada, desigual e excludente?

Mediador: Fernando Falcon

Participantes: Alexandre Delijaicov, Lucas Girard, Marcus Vinicius de Moraes


O direito à cidade é muito mais que a liberdade individual de ter acesso aos recursos urbanos: é um direito de mudar a nós mesmos, mudando a cidade.

David Harvey, O direito à cidade


clique aqui para visitar o site oficial do projeto



Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: